Bruno Pereira, CEO da Unbox (Foto: Divulgação)

Bruno Pereira, CEO da Unbox (Foto: Divulgação)

Nascido em Ribeirão Preto, interior de São Paulo, Bruno Pereira passava muito tempo dentro da loja de material de construção de seus pais. Já adulto, estudou administração e quis levar o negócio da família para a internet. “Eu tentei ajudá-los a digitalizar o negócio e vi que era muito difícil criar um e-commerce sendo uma pequena empresa”, diz Pereira. Assim, ele percebeu o quanto era importante encontrar uma maneira de democratizar essa digitalização.

Os pais foram a inspiração para a Unbox, startup que cria e-commerces para pequenos e médios lojistas. Para começar o negócio, Pereira chamou mais duas pessoas: Gabriela Lea, especialista em logística de e-commerce, e Lucas Leite, que já havia fundado outras startups. Os três pediram demissão de seus empregos em novembro de 2019 e passaram a trabalhar no desenvolvimento de uma plataforma. 

Em fevereiro de 2020, colocaram o primeiro e-commerce no ar. “Era uma loja que já trabalhava com outra plataforma, mas eles decidiram apostar na nossa pela facilidade de já ter a logística e o pagamento integrados”, diz Pereir

No mesmo mês, a Unbox fechou com outras 20 lojas. Em outubro, o negócio deslanchou: eles conseguiram desenvolver um sistema no qual é possível criar um e-commerce em apenas cinco minutos. A pessoa interessada deve responder cinco perguntas obrigatórias e colocar seus dados para já colocar a loja no ar. Depois, é possível personalizar a página e fazer a integração com redes sociais.

“A plataforma nasce pronta para começar a vender e isso facilita muito para o empreendedor adotar o e-commerce. É tão simples como vender em um marketplace, mas é a sua própria marca”, afirma Pereira. Com isso, a Unbox fechou 2020 com mais de 600 lojas atendidas. E o ritmo de crescimento continua em 2021, com aumento de 112% apenas no primeiro semestre. Por mês, a empresa cresce em média 50%.

A startup recebeu um investimento de R$ 3,5 milhões liderado pela Maya Capital, que também teve a participação da We Impact e da GVAngels no segundo semestre do ano passado. “Conseguimos empoderar mais pessoas com a nossa tecnologia, entendendo que as mulheres são maioria quando falamos de vendas pela internet”, diz Pereira. 

A Unbox não revela quanto foi o faturamento no ano passado, mas diz que ficou abaixo de R$ 100 mil. “O nosso foco foi realmente criar o produto e conseguir fazer algo diferente”, diz Pereira. A expectativa é faturar 15 vezes mais e chegar a 7,5 mil lojas dentro da plataforma em 2021.

Quer ter acesso a conteúdos exclusivos da ​PEGN? É só clicar e assinar!​



Link original