A Revolução Agrícola foi uma fraude e a busca por uma vida mais fácil resultou em muitas dificuldades para a raça humana.

Isso é o que diz o filósofo e professor Yuval Noah Harari no livro “Sapiens“.

Nesse segundo episódio sobre esse grande best-seller, debatemos as partes 2 e 3, que abordam a Revolução Agrícola e a Unificação da Humanidade.

OUÇA o resumo completo das parte 2 e 3 do livro 👇

Perdeu a primeira parte? Clique aqui e ouça agora mesmo!

E depois de escutar esse episódio, ouça em seguida a parte final sobre o best-seller “Sapiens”.

Você também pode ouvir gratuitamente o ResumoCast em seu aplicativo favorito de podcasts. Os mais utilizados pelos nossos ouvintes são Spotify, Apple Podcasts e Google Podcasts.

O que você vai aprender nesse episódio

  • Quais foram as 3 revoluções importantes que aconteceram na humanidade?
  • Ideia central das partes 2 e 3 do livro na opinião dos apresentadores e convidados
  • O que foi a Revolução Agrícola?
  • Por que a Revolução Agrícola foi uma fraude?
  • Quem realmente se beneficiou com a Revolução Agrícola?
  • Relação entre narrativa e repetição
  • Por que os seres humanos conseguem cooperar com estranhos?
  • Qual é a diferença entre cooperação positiva e cooperação negativa?
  • Ferramentas que o sapiens criou para cooperar em grandes grupos
  • O que é dinheiro?
  • Relação entre linguagem e emojis
  • O impacto das ordens imaginadas na sociedade
  • A soma das influências orientais e ocidentais na religião
  • Por que a Revolução Agrícola deixou o homem sedentário?
  • Por que a história é caótica?
  • Explicação sobre os 2 níveis de caos
  • Para quem é esse livro?
  • Frases do livro para colocar em um outdoor
  • Desafio para o ouvinte
Tribo de apoiadores do ResumoCast

Para quem é esse livro?

A segunda parte desse livro é para quem quer entender quais foram as narrativas históricas que nos trouxeram para o ponto em que chegamos hoje.

Por que buscamos a casa própria?

Por que buscamos uma estabilidade na família?

Responder a estas e outras grandes questões fica mais fácil depois de entender a Revolução Agrícola e a Unificação da Humanidade.

Estas partes do livro também servem para quem tá afim de entender como aconteceu o surgimento de cidades, dinheiro, direitos civis e o porquê que o ser humano se tornou sedentário.

5 ESTALOS do livro

Selecionamos 5 ideias do best-seller “Sapiens” que você vai escutar nesse episódio:

#1 ideia central

Há milhares de anos o homo sapiens optou (mesmo sem saber) pela quantidade em vez da qualidade, e desde então se tornou refém disso.

A essência da Revolução Agrícola foi manter mais pessoas vivas em condições piores.

Depois da Revolução Cognitiva, que proporcionou o sapiens a colaborar flexivelmente em grande escala, dominado o planeta, chegou um determinado momento que ocorreu uma explosão demográfica por causa da revolução agrícola.

A complexidade da historia do Sapiens aumentou e ao mesmo tempo unificou a especie e globalizou o planeta.

Isso abriu as portas para o surgimento do dinheiro, da escrita, das religiões, dos sistemas políticos, dos impérios e preparou o mundo para a grande Revolução Científica, que viria na sequência.

#2 A Revolução Agrícola foi uma fraude

Harari diz no livro que “a Revolução Agrícola foi a maior fraude da história“.

A Revolução Agrícola, sem dúvidas, aumentou a quantidade de alimentos a disposição dos sapiens.

O problema é que esses alimentos não implicaram em uma dieta mais rica, nem em mais tempo para o lazer.

Em vez disso, se traduziram em explosões populacionais e elites favorecidas.

Em média, um agricultor trabalhava mais que um caçador-coletor e obtinha uma dieta pior em troca.

Segundo o autor, o responsável por isso não é o próprio Sapiens, mas sim alimentos como o trigo, o arroz e a batata, que exigiam do ser humano um grande tempo de atenção.

Por isso, Yuval Harari crava que nesse período as plantas domesticaram o homem, e não o contrário.

#3 O trigo e o surgimento de cidades

A domesticação do trigo foi o combustível para o surgimento de cidades.

Sem entender nada de genética, nossos ancestrais acabaram interferindo na evolução do trigo. Como efeito disso, o trigo que a gente conhece hoje não sobrevive sem a intervenção do homem.

Se o trigo não tivesse conquistado nossos ancestrais, o homem não teria se tornado sedentário, não teria feito a chamada Revolução Agrícola e não teria se aglomerado em cidades.

“No começo, talvez eles acampassem por quatro semanas durante a colheita. Na geração seguinte, com a multiplicação e o alastramento do trigo, o acampamento da colheita talvez durasse cinco semanas, depois seis, até que se tornou um assentamento permanente”, diz Harari.

Esse momento da evolução, pelo simples efeito que a domesticação de animais e plantas gerou na possibilidade da sociedade se organizar sem a necessidade vital do nomadismo, ocasionou o grande salto da civilização humana.

No ano de 8,5 mil a.C., o Oriente Médio estava cheio de povoados fixos.

O excedente de alimentos fez com que a população crescesse.

Harari conclui que o trigo “não ofereceu nada para as pessoas enquanto indivíduos, mas concedeu algo ao Homo sapiens enquanto espécie”.

“O cultivo de trigo proporcionou muito mais alimento por unidade de território e, com isso, permitiu que o homo sapiens se multiplicasse exponencialmente”, afirma o autor.

De acordo com informações da UFSC, mais de 75% das calorias ingeridas pela humanidade hoje são resultantes de plantas domesticadas há milhares de anos, tais como trigo, milho, arroz e batata.

#4 Divisão entre “nós” e “eles”

“Nós” era o grupo imediatamente à sua volta, independentemente de quem você fosse, e “eles” eram todos os outros.

Na verdade, nenhum animal social jamais é guiado pelos interesses de toda a espécie à qual pertence.

Nenhum chimpanzé se importa com os interesses da espécie chimpanzé.

Nenhuma lesma levantará um tentáculo em nome da comunidade global de lesmas.

Nenhum leão macho alfa tem intenção de se tornar o rei de todos os leões.

Porém, desde a Revolução Cognitiva, o homo sapiens se tornou cada vez mais excepcional a esse respeito.

As pessoas começaram a cooperar regularmente com completos estranhos, que elas imaginavam como “irmãos” ou “amigos”.

Mas essa irmandade não era universal.

Em algum lugar no vale vizinho, ou depois de uma cadeia de montanhas, ainda era possível identificar quem eram “eles”.

#5 A história é caótica

A história não pode ser explicada de forma determinista e não pode ser prevista porque é caótica.

Tantas forças estão em ação, e suas interações são tão complexas, que variações extremamente pequenas na intensidade dessas forças e na maneira com que interagem produzem diferenças gigantescas no resultado.

História é o que chamamos de sistema caótico “nível 2”.

Os sistemas caóticos podem ter duas formas.

O caos “nível 1” é o caos que não reage a previsões a seu respeito.

O clima, por exemplo, é um sistema caótico “nível 1”.

Embora seja influenciado por uma série de fatores, é possível criar modelos computadorizados que levem em consideração um número cada vez maior desses fatores e produzam previsões do tempo cada vez melhores.

O caos “nível 2” é o caos que reage a previsões a seu respeito e, por isso, nunca pode ser previsto com precisão.

Os mercados, por exemplo, são um sistema caótico “nível 2”.

O que vai acontecer se desenvolvermos um programa de computador que preveja com 100% de exatidão o preço do petróleo amanhã?

O preço do petróleo vai reagir imediatamente à previsão que, consequentemente, não vai se concretizar.

Se o preço atual do petróleo é 90 dólares o barril, e o programa de computador infalível prevê que amanhã será 100 dólares, os comerciantes vão correr para comprar petróleo, de modo que possam lucrar com a alta de preço prevista.

Como resultado, o preço vai subir para 100 dólares o barril hoje, e não amanhã.

Então, o que vai acontecer amanhã? Ninguém sabe.

Frases do livro para colocar em um outdoor

“Os luxos se tornam necessidades e geram novas obrigações”

“A história é o que algumas poucas pessoas fizeram enquanto todas as outras estavam arando campos e carregando baldes de água”

“Liberdade é algo que as pessoas inventaram e que só existe em nossa imaginação”

Desafio para o ouvinte

Desafiamos você a imaginar uma drástica diminuição ou o fim da multiplicação da nossa espécie.

Será que nós continuaríamos vivendo o mesmo padrão tecnológico, cultural e biológico, econômico e político?

Será que a NASA ou a Space X ainda continuaria a investir na exploração de outros planetas?

Escreva sua resposta nos comentários!

Quem é Yuval Noah Harari?

Yuval Noah Harari é historiador, filósofo e professor de História na Universidade Hebraica de Jerusalém.

Além de “Sapiens“, Harari também é autor dos best-sellers “Homo Deus” e “21 Lições Para o Século XXI“.

Esse podcast substitui a leitura do livro Sapiens?

Não queremos que você deixe a leitura do livro de lado.

Além de escutar este podcast com o resumo, recomendamos que você leia o best-seller Sapiens na íntegra.

Use o ResumoCast como uma espécie de curadoria do próximo livro que você vai ler! É o que a maioria dos nossos ouvintes fazem.

Somos parceiros da Amazon, e quando você faz a compra através do nosso link (clique na capa do livro ☝️), a gente recebe uma pequena porcentagem da venda.

Assim, você nos ajuda a continuar produzindo conteúdos gratuitos de qualidade e “empoderando a humanidade com o conhecimento dos livros”.

E tem mais: além de respeitar as leis sobre os direitos autorais — tanto da editora como do autor —, você terá em mãos um material muito melhor do que um simples PDF baixado de graça na internet.

Sapiens no YouTube

Novidade: ESCUTE este artigo
Voiced by Amazon Polly
A newsletter do ResumoCast

A newsletter do ResumoCast

Quer receber dicas de livros para empreendedores e ficar por dentro das últimas novidades do ResumoCast?

Obrigado, agora você está cadastrado na nossa newsletter