A pandemia de Covid-19 provocou profundas transformações em diversos setores e com o da saúde não foi diferente. Com a rápida evolução da doença no Brasil em março do ano passado, o uso da telemedicina, até então restrito, passou a ser permitido em casos específicos e emergenciais, e foi regulamentado temporariamente. Porém, com o aumento de casos da doença, o que era para ser algo provisório está se tornando permanente e cada vez mais comum.

Tanto no Brasil como no restante do mundo, as chamadas consultas virtuais deixaram de ser apenas uma tendência para se tornar uma realidade. Estudos recentes projetam, por exemplo, que o mercado mundial de telemedicina irá se expandir e chegar à casa dos US$ 131 bilhões, com uma taxa de crescimento anual de 19%. No Brasil, o serviço foi autorizado temporariamente desde abril do ano passado por meio da Lei 13.989/20, mas apenas durante a pandemia de Covid-19. A ideia agora é discutir uma regulamentação permanente. O texto já está sendo revisado pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), mas representantes da comunidade médica ainda divergem sobre o assunto.

Enquanto isso, por entenderem se tratar de um caminho sem volta, muitas empresas seguem investindo e se especializando no segmento. Este é o caso da Click Lifee, startup mineira que funciona como Pronto Atendimento Médico 24h. Segundo o sócio fundador Ilimani Rodrigues, a proposta da plataforma não é substituir os planos de saúde, mas oferecer às pessoas que não têm acesso à saúde um atendimento médico digno e diferenciado.

“Em um país em que uma consulta médica custa em torno de R$ 150 a R$ 200, a Click vem para democratizar o acesso à saúde, oferecendo consultas por um valor acessível. Isso só é possível devido à tecnologia, que faz com que o médico não precise de uma grande estrutura física para atender os pacientes. Basta um computador com câmera, microfone e acesso à internet. Já a escolha do aplicativo por parte do usuário está ligada à comodidade, praticidade e facilidade que a telemedicina oferece, e também a situação delicada que o mundo enfrenta devido à pandemia”, explicou.

Para isso, a tecnologia da empresa foi desenvolvida em uma das plataformas de streaming mais modernas do mundo, com grande capacidade técnica. De acordo com Rodrigues, cada paciente é atendido por um médico, que prescreve medicamentos, requisita exames – que podem ser direcionados à rede pública ou privada, conforme o perfil do paciente – além de atestados médicos com assinatura digital válida em todo o Brasil.

Para acessar a consulta, é preciso baixar o app, preencher um cadastro e escolher entre as especialidades médicas. “O valor para todas as consultas é de R$ 79,90. E, após o pagamento, em poucos minutos, médico e paciente ficam frente a frente para o atendimento. Por meio da plataforma, o paciente pode enviar imagens de exames anteriores, receitas e demais fotografias para um atendimento mais preciso. Uma das vantagens para o usuário é que não há limite de tempo para cada consulta e, ao final, é gerado automaticamente o retorno para o paciente em até 30 dias”, completou.

Até agora, o projeto já recebeu R$ 400 mil em aportes entre o desenvolvimento da plataforma e as primeiras estratégias de marketing. Como a empresa é totalmente virtual, embora a sede esteja em Belo Horizonte, o sistema roda em todo o País e também no exterior. “Não existe mais barreira física, os pacientes são atendidos nos 27 estados brasileiros e até de fora do País. Já tivemos pacientes da Europa e dos Estados Unidos”, contou.

“Hoje, a plataforma já conta com quase 15 mil usuários cadastrados desde o nosso lançamento em fevereiro de 2021 e a meta é chegar a 50 mil nos próximos cinco meses.”

Além de Rodrigues, que também é CEO, a startup possui outros três funcionários, cuidando do atendimento aos usuários, tecnologia da informação e também processos administrativos. Além disso, a empresa conta com empresas que prestam serviço na área de comunicação, TI, assessoria jurídica e também contábil. Há, ainda, um diretor clínico e um corpo clínico de médicos de várias especialidades como clínica médica, pediatria, geriatria, ortopedia e temos planos de expansão para outros atendimentos.

Mas o plano prevê novas contratações à medida que o número de usuários aumentar. Para os próximos meses, a empresa vai começar a estruturar seu departamento de marketing e também a parte financeira e contábil, que hoje são terceirizados.



Link original