Neste artigo irei trazer um tipo de post diferente, que saiu diretamente do nosso clube no Slack, onde o João respondeu a dúvida de um membro, e vários outros membros iniciaram um debate em torno deste tema: Afinal como iniciar um empreendimento digital?

Já conhece o Slack? O Resumocast possui um clube nessa plataforma onde o intuito é a geração de networking e o compartilhamento de novos conhecimentos, ficou interessado? Cadastre seu e-mail aqui e em breve daremos mais informações!

Abaixo segue a discussão completa sobre o tema do post de hoje, aprecie os belos insights que você terá nas próximas linhas, tenho certeza que irão abrir sua mente em relação a essa dúvida tão recorrente.

Próxima pergunta feita por um membro do clube: “Como iniciar um empreendimento digital?”

 

João Cristofolini

Empreendimento é empreendimento, não importa aonde estiver, e digital está de alguma forma em todos eles.

Mas aproveitando esse assunto para algumas reflexões…

“Se todo mundo está indo para um lado, vá para outro.”

Esse é o princípio básico do empreendedor, andar na contramão, desviar da boiada, ser diferente, desbravar novos mercados.

Vejo hoje uma grande quantidade de pessoas indo para o mesmo lado, fazendo a mesma coisa, sendo mais uma cópia de tantas outras.

E isso já aconteceu diversas vezes. Já aconteceu com o mercado de franquias na década de 90, já aconteceu com o mercado de marketing de rede, com startups, com ações e está acontecendo com o tal do “negócio digital”.

Quero aproveitar essa pergunta para deixar essa provocação. Por que um “negócio digital”?

Primeiro que não tem como separar o que é digital do que é offline, tudo está e estará cada vez mais integrado, não existe negócio que não estará de alguma forma relacionado com o digital ou conteúdo, a partir do momento que o digital vem para todas as coisas (internet das coisas).

 

Segundo, que existem diversos problemas no Brasil que começam fora do digital e precisam ser resolvidos.

Existe um oceano de oportunidades no Brasil, não fiquem presos apenas ao que é modinha. Ou melhor, fujam do que é modinha.

Todo negócio nasce de um problema, o meio que você irá resolve-lo vem depois. Foquem em encontrar grandes problemas, indiferente do tipo de negócio que isso será, se é digital, se é marketing de rede, startup ou negócio tradicional.

 

Inna Lopes

Muito boa sua resposta João. No início de minha carreira no mercado do empreendedorismo, me encantei com esse ramo do empreendedorismo digital e de certa forma fixei meu olhar apenas para isso.

Porém, agora depois de um certo tempo, e conquistando uma certa maturidade de visão de negócio, vejo quão pertinente é essa sua colocação sobre a moda do negócio da vez.

Isso não significa que o mercado digital não seja um caminho sem volta e a importância da presença online, mas antes de focar no negócio, pelo negócio, ir mais afundo nas nossas escolhas de realmente querer mudar/transformar/resolver os problemas na vida das pessoas/empresas.

A forma como a gente vai fazer isso: Online, Offline, Franquias, Startup, vai ser uma consequência de uma escolha que irá facilitar a transformação que você quer fazer.

E bem, depois de entender qual a transformação você deseja gerar na pessoa e qual problema você está disposto a resolver, sendo a escolha realmente o ramo digital, acredito que para iniciá-lo a primeira coisa que deve ser perguntar é: Como posso gerar valor para as pessoas? Como posso criar um relacionamento com elas?

E estudar inbound marketing e marketing de relacionamento.

Aprenda a utilizar blog, site, mídias sociais para gerar esse valor para as pessoas.

Isso se você quiser iniciar um negócio seu do zero, porque no ramo digital existe várias vertentes que você pode trabalhar. Inclusive se quiser adquirir experiência, veja quem já é muito bom no mercado e procure descobrir se este player está contratando, tente entrar neste negócio para ver na prática a dinâmica de se trabalhar nessa área e descobrir as possibilidades.

Alaor

João, concordo quando diz em não seguir modinha, mas não sei se comparar o digital com franquias por exemplo é um bom parâmetro, digo isso por ter a impressão de que o empreendedorismo digital no Brasil está engatinhando, ou seja, com um mercado gigantesco pela frente

E as pessoas estarão cada vez mais conectadas (inclusive há projetos ambiciosos de inclusão de mais  de 1 BI de usuários nos próximos anos sendo tocado por Google e Facebook) e isso irá gerar uma demanda enorme por informação de qualidade, geração de conteúdo e etc.

Ou seja: acho que o digital ainda é um mercado promissor, e ainda carente de bons profissionais, ao contrário do mercado de franquias que em alguns casos teve um crescimento desorganizado e quando passou a moda de determinado produto, várias lojas foram fechadas.

Mas só para deixar claro: concordo completamente que o empreendedor tem que ir para caminhos que outros não estão indo, até porque somente assim chegará no oceano azul.

 

Guiro

Gostaria de expor minha opinião da seguinte forma.

Digital ou não digital, franquia ou não franquia, temos que solucionar problemas, encurtar caminhos, conectar pessoas, conteúdo, produto enfim…

Quando olho para o mercado internacional, vejo tanta coisa interessante que já existe a muito tempo (mais na área da tecnologia, pois sou da área) e que não chegou aqui ainda, por que? E o contrário também é real, as vezes vejo serviços que temos aqui e que lá fora é carente!

Uma vez ouvi que o Brasil tem uma situação que poucos países no mundo possuem, como uma bola de cristal.

Se olharmos para o mercado estrangeiro, muitas vezes podemos ter ideias de produtos e serviços para adaptar a nossa realidade.

Então creio que independente de ser digital ou não, temos que olhar como um mundo sem fronteiras, que podemos pegar de lá e trazer pra cá e pegar daqui e levar pra lá, globalização certo?!

 

Prinunes

Excelentes pontos de vista! Eu concordo particularmente com a questão do online e offline não ter mais separação. Está tudo junto e não vejo que haverá diferenças no futuro breve entre empreendedorismo e empreendedorismo digital.

Agora, eu cai na “modinha” do digital porque ele cura uma dor minha muito forte. Toda vez que pensava em empreender logo me vinha na cabeça ter que ficar pessoalmente controlando uma loja, nos finais de semana, vigiando funcionários, etc.

No digital tem esforço também, tem, claro que tem! Mas eu consigo controlar melhor a minha agenda, e isso me atrai muito e me dá flexibilidade de aproveitar o que é importante para mim como pessoa e para meu negócio. Isso foi o que mais me atraiu!!

 

João Cristofolini

Ótima discussão, o objetivo era esse mesmo, provocar questionamentos.

Só para reforçar, não tenho nada contra o digital, muito pelo contrário, estou dentro dele e tenho negócios aqui. Mas precisamos lembrar que o 1BI de novos usuários com acesso ao digital também irão precisar continuar se alimentando, vestindo, morando e se locomovendo, alguém tem que resolver esses problemas também.

Não existe melhor ou pior negócio, todos tem e sempre terão problemas e oportunidades, só não podemos ir porque todo mundo vai, ou achar que só um caminho serve, como já falamos em diversos podcasts, todos os caminhos são válidos e precisam de empreendedores.

O que achou deste tipo de artigo? foi valioso para você? Deixe seus comentários abaixo para saber se estamos indo no caminho certo!

Novidade: ESCUTE este artigo
Subscribe
Voiced by Amazon Polly