Existe uma lâmpada que está acesa há mais de 115 anos. Raramente desligada, a “lâmpada centenária” está no Guinness World Records. O que é mais interessante, contudo, é que a durabilidade dessa lâmpada não é resultado de uma anomalia, ou um golpe de sorte –ela foi projetada exatamente para durar por décadas.

Quem a inventou foi Adolphe Chaillet, e quem a fabricou foi a empresa Shelby Electric, de Ohio. Até que um belo dia os grandes produtores de lâmpadas decidiram que a durabilidade daquele produto ia contra seus interesses comerciais. Seria muito mais lucrativo, eles concluíram, se a lâmpada durasse pouco, e precisasse ser substituída com frequência. Então a empresa Shelby foi comprada pela General Electric, que se uniu a outras empresas “concorrentes”, como a Philips e a Osram, e em 1924 esse grupo de supostos inimigos comerciais criou o cartel Phoebus, na Suíça. Uma das primeiras decisões do cartel foi impor um limite para a durabilidade da lâmpada incandescente. Segundo essa reportagem da New Yorker, Phoebus foi o “primeiro cartel de alcance mundial”, e criou um dos primeiros exemplos do que hoje se conhece como obsolescência programada –a maneira como produtos são projetados para não durar.

“O objetivo explícito do cartel era reduzir o tempo de vida das lâmpadas para aumentar as vendas”, disse à New Yorker Markus Krajewski, professor de estudos da mídia na Universidade de Basel, na Suíça. O motivo foi essencialmente “econômico, não físico”. Hoje, a lâmpada elétrica é uma máquina de fazer dinheiro, um produto com alcance impensável, usado em praticamente todos os ambientes de todas as casas e apartamentos de todas as cidades de todos os países em todo o mundo minimamente industrializado. Não obstante essa onipresença, os fabricantes não estão satisfeitos em vender seu produto apenas uma vez a esses bilhões de consumidores potenciais. Para que pensar pequeno? A intenção é vender para bilhões de pessoas, bilhões de vezes. Segundo estimativa da mesma New Yorker, se você acender uma lâmpada incandescente no dia primeiro 1º de janeiro e não desligar, ela “provavelmente vai se apagar por volta do dia 12 de fevereiro”. Faça como a Renata Sorrah no meme da álgebra e tente entender a enormidade disso.

Faço esse preâmbulo para falar de um culto assustador que está tomando conta do mundo e destruindo mentes outrora bastante inteligentes. Esse culto é muito mais perigoso do que o Q-Anon –um grupo de conspiracionistas que eu conheço bem, e sobre o qual já escrevi ao menos 6 artigos para o Poder360 (aqui, aqui, aqui, aqui, aqui e aqui).

Recomendo a leitura desses artigos porque até mesmo eu que os escrevi acho que são bons, e ajudam na identificação de truques de lógica que fazem pessoas aparentemente inteligentes serem enganadas com bastante facilidade. Mas o culto do qual vou falar agora tem uma teoria conspiratória muito mais perigosa, muito mais alastrada, e muito mais difícil de refutar, porque esse culto conta com o apoio de pessoas socialmente aceitas que se beneficiam dele diretamente.

O dogma principal dessa seita é a teoria conspiratória mais terraplanista que eu já encontrei na vida –a de que a indústria farmacêutica prefere curar do que tratar. Pessoas que compartilham dessa fé acreditam numa série de outras ideias sem nenhuma comprovação científica, nem qualquer estudo revisado por pares. Para ajudar o leitor a identificar esses negacionistas e evitar o contágio, vai aqui uma lista dessas crendices:Omar Sonido/UNslash

  1. A crença de que revistas científicas só têm a ciência e o bem da humanidade como motivação, e que jamais trabalham para favorecer governos, empresas, financiadores, amigos;
  2. A crença de que o sistema de peer-review é imprescindível, definitivo, e infalível contra todo tipo de corrupção, coleguismo, vício lógico e troca de favores. Eles acreditam também que é pura invenção que exista o conhecido “trem da alegria” (a prática de incluir em trabalhos acadêmicos o nome de colegas que nunca participaram do projeto);
  3. A crença de que auto-proclamados filantropos bilionários, como Bill Gates –que aprenderam a disfarçar investimentos sob a fantasia da caridade– têm o objetivo maior de salvar vidas abnegadamente, e não a maximização dos lucros;
  4. A crença de que governos são formados por pessoas superiores, de impecável retitude moral, e que esses humanos com cargos em agências reguladoras ou com poder decisório e legislativo jamais trabalhariam em favor de financiadores de campanha, parceiros de mercados, parentes e empresas específicas que lhes premiem pela ajuda legislativa ou burocrática;
  5. A crença de que cientistas, médicos e jornalistas são imunes ao poder financeiro e trabalham desinteressadamente pela verdade;
  6. A crença de que a verdade é aquilo que for defendido pela maioria mais famosa em cada um dos grupos mencionados no item 5, e mais ainda se essa verdade for defendida pela maioria desses 3 grupos juntos. Essas pessoas acreditam que tempo na TV equivale à verdade, e quanto mais tempo, mais verdadeira a versão se torna;
  7. Seguidores dessa seita acreditam nos itens anteriores mesmo hoje sabendo que:
    • o motivo da guerra do Iraque foi completamente fabricado e defendido por políticos, jornalistas e especialistas do mundo inteiro (ainda que umas poucas pessoas bastante respeitáveis refutassem essa teoria na época);
    • o governo norte-americano pagou com dinheiro público trilhões de dólares para salvar bancos no crash de 2008, crash esse causado por esses mesmos bancos;
    • parte desse dinheiro alocado para “salvar a economia” foi usado para pagar bônus (premiações acima do salário milionário) dos CEOs responsáveis pela crise, e até para aumentar o bônus acima do que já era pago antes de milhões de americanos perderem suas casas para hipotecas revendidas várias vezes, num dos esquemas mais sórdidos já perpetrados numa população inteira;
    • a Bayer distribuiu sangue contaminado com HIV por anos, mesmo sabendo que o sangue estava contaminado (deixa eu repetir: mesmo sabendo que o sangue estava contaminado), e com o conhecimento de oficiais do governo americano, que esconderam o fato do congresso, e mesmo sabendo que esse fato escondido por tantas pessoas levou décadas para ser revelado ao público. (Pausa para um lamento pessoal que às vezes me pega desprevenida e me joga na sarjeta da tristeza: Imagina se a gente soubesse desse absurdo inominável na época em que ele estava acontecendo? Será que teríamos perdido o Betinho, hemofílico, que pegou e morreu de AIDS numa transfusão de sangue?) Eu conto aqui um pouco dessa história da Bayer, e a reportagem fenomenal –e atrasada em décadas– do New York Times).

Até agora não conhecemos a origem do SARS-Cov2, o vírus da covid. E é natural que empresas se aproveitem dessa situação, e sejam remuneradas pelos seus esforços. Mas é crucial, acima de tudo, que saibamos que tipo de solução nos favorece, e que tipo de solução nos escraviza.

Cabe aqui um exemplo ilustrativo dessa linha tênue, cortesia de um vazamento de uma reunião entre um dos maiores bancos de investimentos do mundo e seus clientes. O relatório vazado, publicado em abril de 2018 pela CNBC, foi produzido por analistas financeiros do Goldman Sachs. Assinado por Salveen Richter, o documento é entitulado “A Revolução Genômica”, e se dirige a clientes nas empresas farmacêuticas do setor de biogenética –a mesma área, aliás, da qual fazem parte as terapias para covid conhecidas como mRNA, ou RNA mensageiros. Eu traduzo alguns trechos: “Curar pacientes é um modelo sustentável de negócios?”, pergunta o título do relatório.

“O potencial para entregar curas com apenas uma injeção é um dos aspectos mais atraentes da terapia genética, da terapia celular de engenharia genética e da edição de genes. Contudo, tais tratamentos oferecem um cenário bastante diferente quando se considera arrecadação recorrente verso terapias crônicas [regulares], disse Salvenn Richter. “Enquanto essa proposição [da cura com uma injeção, ou “one-shot cure”] traz valor enorme para os pacientes e para a sociedade, ela pode representar um desafio para os desenvolvedores de medicina genômica que procuram um rendimento sustentado”. Como fica claro aqui, a cura é menos interessante como modelo de negócios do que o tratamento regular.

Agora pense nas vacinas que não imunizam (que não garantem a prevenção do contágio), e precisam de duas doses para temporariamente reduzir o risco de morte. Pensem no fato de que alguns fabricantes vão além, e sugerem que as vacinas da covid terão que ser dadas mais de duas vezes, talvez anualmente, como a vacina da gripe.

Enquanto você pensa nisso, note algo ainda mais interessante acontecendo em Israel. Lá, a Pfizer está testando o que eles chamam de “booster” (dose extra) com função auxiliadora da vacina da covid. O que é intrigante, ao menos para uma ignorante como eu, é que essa 3ª vacina não é contra a covid, mas contra a pneumonia pneumocócica. Por falar eu pneumonia pneumocócica, você sabia que foi ela a grande causadora das milhares de mortes na pandemia de 1918, conhecida como a pandemia da Gripe Espanhola? Quem diz isso é um estudo publicado na New Scientist. Eu traduzo um trecho: “Especialistas médicos e científicos agora concordam que foi uma bactéria, e não o vírus da influenza, a grande causa de morte durante a pandemia de gripe em 1918. Esforços governamentais para combater a próxima pandemia de influenza ­–gripe aviária ou outra– têm que tomar nota e estocar antibióticos, diz John Brundage, um microbiologista médico no Centro de Monitoramento de Saúde das Forças Armadas em Silver Spring, Maryland. […] Apesar de uma cepa nociva do vírus da gripe ter varrido o mundo, foi a pneumonia bacterial que acompanhou casos majoritariamente leves da gripe que matou a maioria dos 20 a 100 milhões de vítimas da chamada Gripe Espanhola”.

Enquanto isso, um estudo recém publicado conduzido pela Universidade de Cleveland com a participação de 52238 funcionários concluiu que pessoas já contaminadas pela covid não teriam benefício em ser vacinadas. Eu traduzo aqui 2 trechos do estudo:

“Conclusões: Indivíduos que tiveram infecção por SARS-CoV-2 possivelmente não vão se beneficiar com a vacinação da covid-19, e as vacinas podem ser seguramente priorizadas para aqueles que nunca se infectaram antes.” 

“Resumo cumulativo: A incidência da covid-19 foi examinada entre 52.238 funcionários em um sistema de saúde americano. A covid-19 não ocorreu pelos 5 meses do estudo em nenhum dos 2.579 indivíduos previamente infectados com covid-19, incluindo aqueles que não tomaram a vacina.” 

O clichê que diz que devemos conhecer a história para que a história não se repita só vem servindo para uma coisa: para pessoas chatas repetirem esse clichê. Porque a verdade é que a história vem se repetindo bastante, mas as pessoas ficam menos inteligentes a cada dia. Fatos não importam. Slogans sim. Basta dizer “cloroquiner”, “negacionista”, “teoria da conspiração”, e a maioria dos papagaios reconhecem o som e repetem a palavra, bonitinho, esperando alguém dizer “dá o pé, loro”. Não digo que essas pessoas sejam de todo imbecilizadas –elas certamente têm lampejos de inteligência, mas infelizmente eles duram bem menos do que a nova lâmpada incandescente.

Continuar lendo



Link original